LIVRO DE VISITAS - ASSINE POR FAVOR

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

A Revolução Farroupilha e a Maçonaria - Antecedentes Históricos sobre o envolvimento da Maçonaria na Guerra dos Farrapos.

PEÇA DE ARQUITETURA


Ha 170 anos, escrevia-se nestas latitudes, uma das páginas mais importantes e bonitas da história do Rio Grande do Sul, do Brasil e, porque não, da América.

Homens idealistas, liberiais, valentes e patriotas, reuniram-se para lutar por um ideal que está na essência da natureza humana: A LIBERDADE.

Sim, o homem livre é o homem moralmente correto. É o homem que não se deixa acorrentar pelo interesse ímpio, escuso, viciante e viceral do poder.

“Liberdade" designa a ausência de submissão, de servidão e de não determinação, isto é, ela qualifica a independência do ser humano. De maneira positiva, liberdade é a autonomia e a espontaneidade de um sujeito racional. Isto é, ela qualifica e constitui a condição dos comportamentos humanos voluntários.
Como disse Cecília Meirelles em Romanceira da Inconfidência:

"Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda."

Ser livre, ademais, é um atributo indispensável na Maçonaria. Nesta instituição não se admite, desde épocas remotas, da sua própria fundação, de que o homem seja escravo de outro homem, escravo de ideias, convicções, dogmas ou qualquer que seja a submissão a que esteja sujeito.
Foi com esse espírito libertário, inspirados nas idéias iluministas da Revolução Francesa, da Independência dos Estado Unidos, da Independência da Provincia Cisplatina, da Independência Argentina, dos movimentos brasileiros como a Inconfidência Mineira, a Federação dos Guanais (Bahia), Cabanagem (Pará), que nossos antepassados, plantaram com a chamada Revolução Farroupilha, a semente da República, da Democracia e o repúdio à submissão do imperialismo representado pela Monarquia despótica do Império do Brasil.

No ano de 1835 os ânimos políticos estavam exaltados. Como em todos os grandes movimentos políticos, entrechocavam-se no cenário os conservadores, que representavam os interesses da monarquia que eram chamados de “caramurus” e os liberais representados pelos “farrapos” ou “farroupilhas” como eram chamados despectivamente, para significar tratar-se de gente sem nenhuma reprsentação na sociedade. Longe de se darem por ofendidos pelo apodo, os nacionalistas passaram a adota-lo com orgulho, procurando dar arras assim ao seu espírito democrático e de menosprezo pelas distinções e honrarias, de que tão ciosos se mostravam os monarquistas.

Mas no próprio cenário liberal, haviam várias tendências. Vozes moderadas clamavam apenas contras as más administrações, esperançosas que tudo pudesse se remediar com um pouco mais de atenção por parte do governo central. Outras, mais avançadas, propugnavam a federação: enquanto se negasse às provincias o direito de se governarem por sí, a situação permaneceria a mesma. Outras, ainda, iam aos extremos da secessão, ou seja, da separação do Rio Grande do resto do país. E procurando aproveitar-se da confusão, Rosas (Argentina) e Rivera (Uruguay) atiçavam o mal-estar reinante, que a miopia dos estadistas do Rio de Janeiro não sabiam estancar.
A difusão do liberalismo no Brasil realizou-se pela Maçonaria, pelos carbonários (que era uma sociedade secreta e revolucionária que atuou na Itália, França, Portugal e Espanha) e pela Sociedade “Itália Jovem”, movimento revolucinário que lutou pela independência da Itália e que derrotados, foram seus líderes exilados no Brasil.
Diga-se de passagem, a Maçonaria já havia tido um papel importante na Independência do Brasil, tendo sido o Imperador Dom Pedro I inciado na sociedade e chegado ao cargo de Grão Mestre do Grande Oriente do Brasil. Posteriormente, por questões políticas (já que a Maçonaria é republicana por natureza), Dom Pedro I proibiu que as Lojas funcionassem e muitos maçons foram perseguidos politicamente, presos e mortos.

Mas voltando a 1835, devido a toda esta efervecência política, e ao descontentamento de estancieiros, liberais, industriais do charque, e militares locais, promoviam-se reuniões em casas de particulares, lideradas por um ex- coronel do estado maior do exército imperal, que havia lutado na campaha contra a Independência da Provincia Cisplatina, tendo sido condecorado por isso, mas que caiu em desgraça frente ao Imperador por denúncias de negociações secetas com o prócer uruguaio (e também Maçom) Juan Antonio Lavalleja para a separação do Rio Grande do Sul e anexação ao Uruguay, tendo sido exonerado do cargo. Este militar atendia pelo nome de Bento Gonçalves da Silva.

Estas reuniões aconteciam em sociedades secretas como os Carbonários e a Maçonaria.

Na noite de 18 de setembro de 1835, houve uma reunião histórica na loja Maçônica Philantropia e Liberdade, da qual Bento Gonçalves da Silva era Venerável-Mestre. Ficava na Rua da Igreja, n° 67, atual Rua Duque de Caxias, no trecho que começa no Solar dos Câmara, em Porto Alegre.

O número remete, provavelmente, ao prédio antigo da Assembléia Provincial, existente até hoje. Estavam presentes José Mariano de Mattos (um ferrenho separatista), Gomes Jardim (primo de Bento e futuro Presidente da República Rio-Grandense), Vicente da Fontoura (farroupilha, mas anti-separatista), Pedro Boticário (fervoroso farroupilha), Paulino da Fontoura (irmão de Vicente, cuja morte seria imputada a Bento Gonçalves, estopim da crise na República), Antônio de Sousa Neto (imperialista e farroupilha, mas simpatizava com as idéias republicanas) e Domingos José de Almeida (separatista e grande administrador da República).

Decidiu-se por unanimidade, nesta reunião, que dali a dois dias, no dia 20 de Setembro, de 1835 tomariam militarmente Porto Alegre e destituiriam o presidente provincial Fernandes Braga.
Vamos ler, na transcrição “ipsis literis”, a ata daquela noite histórica, que se gendrou dentro de uma Loja Maçônica igual a esta:
Eis a ata nº 67 que deu origem a Revolução Farroupilha:

Aos dezoito dias do mês de setembro de 1835 E:. V:. e 5835 V:. L:.,reunidos em sua sede, sito à Rua da Igreja, nº 67, em lugar Claríssimo, Forte e Terrível aos tiranos, situado abaixo da abóbada celeste do Zenith, aos 30º sul e 5º de latitude da América Brasileira, ao Vale de Porto Alegre, Província de São Pedro do Rio Grande, nas dependências do Gabinete de Leituras onde funciona a Loj:. Maç:. Philantropia e Liberdade, com o fim de, especificamente, traçarem as metas finais para o início do movimento revolucionário com que seus integrantes pretendem resgatar os brios, os direitos e dignidade do povo Riograndense. A sessão foi aberta pelo Ven:. Mestre, Ir:. Bento Gonçalves da Silva. Registre-se, a bem da verdade, ainda as presenças dos IIr:. José Mariano de Mattos, ex- Ven:., José Gomes de Vasconcellos Jardim, Pedro Boticário, Vicente da Fontoura, Paulino da Fontoura, Antônio de Souza Neto e Domingos José de Almeida, o qual serviu como secretário e lavrou a presente ata. Logo de início o Ven:. Mestre, depois de tecer breves considerações sobre os motivos da presente reunião, de caráter extraordinário, informou a seus pares que o movimento estava prestes a ser desencadeado. A data escolhida é o dia vinte de setembro do corrente, isto é, depois de amanhã. Nesta data, todos nós, em nome do Rio Grande do Sul, nos levantaremos em luta contra o imperialismo que reina no país. Na ocasião, ficou acertada a tomada da capital da província pelas tropas dos IIr:. Vasconcellos Jardim e Onofre Pires, que deverão se deslocar desde a localidade de Pedras Brancas, quando avisados. Tanto Vasconcellos Jardim como Onofre Pires, ao serem informados, responderam que estariam a postos, aguardando o momento para agirem. Também se fez ouvir o nobre Ir:. Vicente da Fontoura, que sugeriu o máximo cuidado, pois certamente, o Presidente Braga seria avisado do movimento. O Tronco de Beneficência fez a sua circulação e rendeu a medalha cunhada de 421$000, contados pelo Ir:. Tes:. Pedro Boticário. Por proposição do Ir:. José Mariano de Mattos, o Tronco de Beneficência foi destinado à compra de uma Carta da Alforria de um escravo de meia idade, no valor de 350$000, proposta aceita por unanimidade. Foi realizada poderosa Cadeia de União, que pela justiça e grandeza da causa, pois em nome do povo Riograndense, lutariam pela Liberdade, Igualdade e Humanidade, pediam a força e a proteção do G:. A:. D:. U:. para todos os IIr:. e seus companheiros que iriam participar das contendas. Já eram altas horas da madrugada quando os trabalhos foram encerrados, afirmando o Ven:. Mestre que todos deveriam confiar nas LL:. do G:. A:. D:. U:. e, como ninguém mais quisesse fazer uso da palavra, foram encerrados os trabalhos, do que eu, Domingos José de Almeida, Secretário, tracei o presente Balaústre, a fim de que a história, através dos tempos, possa registrar que um grupo de maçons, homens livres e de bons costumes, empenhou-se com o risco da própria vida, em restabelecer o reconhecimento dos direitos desta abençoada terra, berço de grandes homens, localizada no extremo sul de nossa querida Pátria. Oriente de Porto Alegre, aos dezoito dias do mês de setembro de 1835 da E:. V:., 18º dia do sexto mês, Tirsi, da V:. L:. do ano de 5835. Ir Domingos José de Almeida - Secretário.

E assim começara a Guerra dos Farrapos que só teria conclusão uma década depois com o armistício assinado junto a Duque de Caxias que veio com a missão de apaziguar o Rio Grande do Sul.

Irm:. Luis Genaro Ladereche Fígoli
M:.M:.
Loja Palmares do Sul n°213
G:.L:.R:.G:.S:.
Agosto de 2008
------------------------------------------------------------------------------------
Fonte de Consulta Bibliográfica:
Collor, Lindolfo – Garibaldi e a Guerra dos Farrapos, Fundação Paulo do Couto e Silva – 4ª edição – 1989;
Flores, Moacyr – Modelo Político dos Farrapos, Editora Mercado Aberto - 3ª edição – 1985;
Castellani, José – A Maçonaria e o Movimento Republicano Brasileiro – Traço Editora – 1989;
- A Ação Secreta da Maçonaria na Política Mundial – Editora Landmark – 2ª edição – 2007;
Quevedo, Julio (Organizador) – Rio Grande do Sul, Quatro Séculos de História – Martins Livreiro Editor – 1999;
Cheuiche, Alcy – A Guerra dos Farrapos – Habitasul – 1984;
Cocuzza, Felippe – A Maçonaria na Evolução da Humanidade - Editora Icone – 1994;
Fagundes, Morivalde Calvet – Revelações da História da Maçonaria Gaúcha –Episódios da História Antiga e Moderna da Maçonaria I – Editora da Academia Brasileira Maçonica de Letras - 1986
Wikipédia (A Revolução Farroupilha, Guerra dos Farrapos, Proclamação da República Brasileira, Revoluções no Brasil, Bento Gonçalves da Silva, Carbonários, Jovem Itália e a Revolução Italiana, Giussepe Garibaldi).
Clique para ler mais...

sábado, 16 de agosto de 2008

O PAVIMENTO DE MOSAICO

PEÇA DE ARQUITETURA

A três passos da porta, que se encontra no Ocidente, estão situadas as duas colunas, J. e B., emblema dos dois princípios e dos pares de opostos que dominam o mundo visível. A atividade combinada destes dois princípios aparece manifestadamente no pavimento de mosaico em ladrilhos brancos e negros, que se estendem desde a base das colunas em direção ao Oriente, igualmente em forma de quadrilongo, ocupando o centro do Templo.

O pavimento de mosaico é um belo emblema da multiplicidade engendrada pela dualidade, constituída pelos pares de opostos que se encontram constantemente um perto do outro; o dia e a noite, a obscuridade e a luz, o sonho e a vigília, a dor e o prazer, as honras e as calúnias, o êxito e a desilusão, a sorte e o azar, etc. Sobre estes opostos, que se encontram em todos os caminhos e em todas as etapas de nossa existência, o iniciado que tenha provado da Taça da Amargura deve marchar com ânimo sereno e igual, sem deixar-se exaltar pelas condições favoráveis nem reprimir-se pelas aparências desfavoráveis.

Por cima desta visão dualística da vida formada por pares de opostos, levanta-se a ara ou Altar (etimologicamente "altura" ou elevação), símbolo da elevação de nossos pensamentos, por meio do qual percebemos a realidade transcendente que se esconde sob a aparência contraditória, e atingimos o conhecimento da palavra, ou seja da Verdade, que é o propósito intimamente benéfico de toda experiência, sempre compreendida como útil ao nosso progresso e benefício mais verdadeiro.

As três luzes que se encontram sobre o altar, formando um triângulo equilátero, representam a necessária relação, que deve existir em nossa inteligência, entre a dualidade ocidental (ou fenomênica) das colunas e a Unidade Oriental da Verdadeira Luz, por meio da qual se realiza o ternário da harmonia e do perfeito equilíbrio, sobre todos os extremos e as tendências dualistas.

Entre estas luzes tem seu lugar mais conveniente o livro sagrado, símbolo da Verdade que se encerra na tradição, uma vez que saibamos convenientemente interpretá-la por meio de nossas faculdades inteligentes, representadas pelo esquadro e o compasso que são colocados sobre esse livro para que possamos realmente compreendê-lo e medi-lo em toda a sua extensão.
Clique para ler mais...